CHAPA 03-BA

Candidatos:

GUIVALDO D´ALEXANDRIA BAPTISTA (Titular) e RAUL NOBRE MARTINS JUNIOR (suplente)
PAULO ORMINDO DAVID DE AZEVEDO (Titular) e FEDERICO CALABRESE (suplente)
GILCINEA BARBOSA DA CONCEIÇÃO (Titular) e MAURICIO COELHO LINS (suplente)
LUDMILA SILVA DE OLIVEIRA (Titular) e Emanuela Cavalcante de Melo Barboza (suplente)
NEILTON DOREA RODRIGUES DE OLIVEIRA (Titular) e LORIS DOS ANJOS ALMEIDA BRANTES (suplente)
EUNICE ALVES GUSMÃO (Titular) e ELISA FIALHO DE MOURA (suplente)
ERNESTO REGINO XAVIER DE CARVALHO (Titular) e DEBORA MIRANDA BARRETTO (suplente)
BRUNO SANTA FE MONTEIRO DE ALMEIDA (Titular) e TATYANA BOMFIM DA SILVA (suplente)
GEORGE ANTÔNIO DE ALMEIDA GOMES (Titular) e CARLA ANDREA MACEDO DOS SANTOS (suplente)
LUIZ ANTONIO DE SOUZA (Titular) e CARL MANFRED OTTO RUDOLF VON OHEIMB HAUENSCHILD (suplente)
VALDINEI LOPES DO NASCIMENTO (Titular) e FRANCISCO GIUSEPPE SAMPAIO MAZZONI (suplente)
ROSANA FIGUEIREDO PLATILHA (Titular) e GABRIELA CARNEIRO LOPES ÁSPERA (suplente)

Obs. Veja a síntese de currículos de cada candidato após o plano de trabalho.

Plano de trabalho:

O arquiteto e urbanista é habilitado a atuar com sustentabilidade e ética profissional. O arquiteto é antes de tudo um cidadão que objetiva com sua arte promover a qualidade de vida e o bem-estar social no espaço urbano, contribuindo para o desenvolvimento da cultura do respeito ao direito à cidade. Assim, a Chapa “Acontecer ARQUITETURA E URBANISMO” elabora sua Proposta de Trabalho, elegendo os seguintes eixos estratégicos para o CAU/BA: EIXO 01. A VALORIZAÇÃO DA ARQUITETURA E URBANISMO (A&U): “O DIREITO À CIDADE”. Perpassa por discussões sobre mobilidade urbana, acessibilidade, ATHIS, preservação e conservação do patrimônio e planejamento urbano, em um contexto de inserções institucional, política, geográfica e social. A apropriação desse espaço político, pela ARQUITETURA e pelo ARQUITETO E URBANISTA, perpassa por três dimensões: participação, articulação e intervenção. Articulação para: assegurar a participação da A&U nos Conselhos das Cidades; fomentar a construção de uma rede em defesa do cumprimento da Nova Agenda Urbana (ONU); criar um espaço participativo de discussão sobre a cidade sustentável, criativa e inovadora; promover ações de valorização do patrimônio arquitetônico e cultural; estimular a participação em instâncias de controle social; efetivar a assistência técnica em A&U; discutir políticas públicas para a cidade; empreender ações com vistas à A&U para todos. EIXO 02. A VALORIZAÇÃO DA A&U MEDIANTE EXIGÊNCIA DA QUALIDADE DO ENSINO E FORMAÇÃO. A democratização do acesso à arquitetura é resultado da construção de uma visão crítico reflexiva do espaço urbano, da arquitetura edificada na cidade e da profissão pelo arquiteto e urbanista. Essa inicia na universidade (IES), no decorrer da formação acadêmica, profissional e educação continuada. Garantir esse acesso, de modo que o foco seja a qualidade do ensino para que tal resultado seja alcançado, há que se empreender ações junto às IES para a qualificação continuada do profissional; E mais, estruturar ações voltadas a defesa e à exigência da qualidade dos cursos de A&U; além de ações dirigidas à promoção das boas práticas de ensino e formação em A&U; ações direcionadas ao fomento à melhoria do mercado de trabalho e do exercício profissional, seja no âmbito municipal, estadual ou nacional e não apenas no eixo metropolitano. EIXO 3. A VALORIZAÇÃO DA A&U ATRAVÉS DA CELEBRAÇÃO DE PARCERIAS ESTRATÉGICAS COLABORATIVAS. O fortalecimento das relações que repercutem no exercício da profissão exige apoio e capacitação na gestão de recursos e de infraestrutura através do fomento de parcerias institucionais estratégicas, parcerias com IES públicas e privadas, foco na educação continuada, ao emprego da tecnologia nos escritórios de arquitetura, que contribuirão para o desenvolvimento de novas habilidades, atitudes e maior competitividade. EIXO 4. VALORIZAÇÃO DA A&U MEDIANTE FISCALIZAÇÕES ESTRATÉGICAS. Construir mecanismos estratégicos de atuação que demarquem a obrigatoriedade da atuação do profissional de A&U em atividades que se constituam decorrentes do aprendizado específico. EIXO 5. VALORIZAÇÃO DA A&U ATRAVÉS DE COMUNICAÇÃO DIRIGIDA. A comunicação e o esclarecimento à sociedade da essência da A&U, assim como das funções e papéis desempenhados pelo profissional de A&U é fundamental para empoderamento da profissão. Consolidação de sua visceral importância para planejamento e desenvolvimento dos espaços urbanos e coletivos. Assim, torna-se fundamental promover o entendimento da regulamentação profissional e demais normativos que balizam o exercício da A&U, contribuindo para o aprimoramento da legislação profissional, fortalecendo a relação institucional entre o CAU, os profissionais de A&U e a sociedade. A consolidação desta relação se opera através da comunicação e da visibilidade, seja sob o contexto crítico das situações observadas, no âmbito local ou regional, mas especialmente diante do necessário despertar da sociedade para a importância deste olhar diferenciado do profissional de A&U. EIXO 6. VALORIZAÇÃO DA A&U ATRAVÉS DE CONCURSOS. A produção da boa A&U perpassa pela estimulação dos conceitos e das ideias. Do criar em Arquitetura. Um dos meios possível é a estimulação de CONCURSOS para seleção de projetos que reflitam e privilegiem a capacitação técnica profissional. EIXO 7. VALORIZAÇÃO DA A&U COM INCREMENTO DA ÉTICA. O exercício da profissão e a sedimentação da A&U, transita pela adoção de posturas éticas e de adequação das práticas profissionais que reflitam o respeito à profissão e à A&U; Apresentado o PROGRAMA, objetiva-se construir uma relação dialética, transparente, ética, que acolha as diferenças, o pensamento crítico sobre o papel das instituições e do arquiteto e urbanista, a fim de construir um novo ethos direcionado ao profissional de A&U e seu papel visceral de importância no processo de emancipação do cidadão e da cidade para o século XXI. Esta é a nossa defesa – Acontecer ARQUITETURA E URBANISMO para o século XXI.

Candidatos a conselheiro federal e suplente:

GUIVALDO D´ALEXANDRIA BAPTISTA ( TITULAR )

Currículo : GUIVALDO D’ALEXANDRIA BAPTISTA, 65 anos, Arquiteto e Urbanista/FAUFBA desde 1976, doutorando em Arquitetura e Urbanismo PPGAU/UFBA, Especialista em Construção Civil (UCSAL). ATUALMENTE é Professor Adjunto da FAUFBA e Presidente, em segunda gestão, do Conselho de Arquitetura e Urbanismo da Bahia-CAU/BA. EXERCEU A FUNÇÃO DE Vice-Diretor e Chefe do Departamento de Tecnologia Aplicada à Arquitetura da FAUFBA; Conselheiro do CREA-BA; ex Membro da Assessoria da Presidência do CONFEA; Coordenador Geral do Campus Avançado da UFBA; Membro da Diretoria do CREA/BA; Membro da Comissão Central de Ética da UFBA; Membro da Diretoria do IAB-BA; Membro da Diretoria da Associação Brasileira de Ensino de Arquitetura (ABEA); Coordenador de Estágios da FAUFBA; Vice-Presidente e Presidente do CAU/BA na Gestão Fundadora; Coordenador da Comissão de Ética e de Ensino do CAU/BA; Membro do Colegiado de Governança do Fundo de Apoio/CAU Básicos e Coordenador Adjunto do Fórum de Presidentes do CAU.

RAUL NOBRE MARTINS JUNIOR ( SUPLENTE )

Currículo : RAUL NOBRE MARTINS JUNIOR, Arquiteto e Urbanista (UFBA 1976), com extensão em Artes Liberais em Williams College (Massachusetts, EUA). Depois de dez anos de atividade profissional em projeto e construção na Bahia, voltou aos EUA e permaneceu durante 15 anos e cursou Mestrado e Doutorado em Ciências da Computação em IIT (Illinois Institute of Technology) realizando trabalho pioneiro em Aplicações de Computação na Arquitetura. Durante 10 anos trabalhou também em grandes escritórios de arquitetura em Chicago. Ensinou Estrutura de Dados e Algoritmos em IIT, onde recebeu o Distinguished International Student Award e o Stryker Award. Em 2001 retornou a Salvador onde tem escritório de projetos. Foi da Gestão Fundadora, e atualmente é Vice Presidente do CAU-BA, onde também coordena a Comissão de Exercício Profissional. É membro do Conselho Superior do IAB (Instituto de Arquitetos do Brasil). Representa o Brasil na Comissão de Prática Profissional da UIA (União Internacional dos Arquitetos).

Candidatos a conselheiros estaduais e suplentes:

1 . PAULO ORMINDO DAVID DE AZEVEDO ( TITULAR )

Currículo : Paulo Ormindo de Azevedo é arquiteto, doutor em Conservação de Monumentos e Sítios pela Universidade de Roma, La Sapienza, Consultor da UNESCO com missões na América Latina, Caribe e África Luso-fone, Professor Titular da UFBA aposentado e membro da Academia de Letras da Bahia. Foi colaborador do IPHAN na Bahia, entre 1959 e 1969, coordenou o Inventario de Proteção do Acervo Cultural da Bahia, obra em sete volumes, e presidiu o Departamento da Bahia do Instituto de Arquitetos do Brasil, IAB. Ex-membro do Conselho Nacional de Política Cultura, do Conselho Consultivo do IPHAN, do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil, CAU/BR, do Conselho Superior do IAB-BA e do Conselho de Cultura da Bahia. Atualmente é Conselheiro do Comitê Cientifico da Rede de Patrimônio Histórico Ibero-Americano, do CAU/BA e do IAB-BA. O arquiteto recebeu o Prêmio Rodrigo M.F. de Andrade, do IPHAN, e é autor de livros, artigos e projetos de restauração e arquitetura.

1 . FEDERICO CALABRESE ( SUPLENTE )